sábado, 13 de junho de 2009

do mais íntimo de mim


A vontade de chegar a casa foi o meu mote. Chegar e sentar-me neste chão de que tantas saudades tinha. Chegar e pensar que estarias à minha espera. Mas não. Tu não estavas. Porém, trouxe-te comigo no pensamento. E se alguém me perguntasse o que queria neste momento, a minha resposta seria... ter-te aqui. Trazer-te desse mundo dos sonhos em que teimas viver e ter-te aqui. Queria somente cair nos teus braços. Sem palavras. Sem mais nada. Apenas sentir que estás aqui. E que contigo, como que por magia, tudo se transforma num magnífico arco íris. Tudo o resto é vazio. Desaparece. Deixa de existir. Queria dizer-te que consegui encontrar o fim deste arco íris mágico. E encontrei o meu pote de ouro. Encontrei o meu tesouro. Encontrei-te. Encontrei o brilho do teu olhar, reflexo das inúmeras vezes que juntos contemplamos as estrelas. Encontrei o teu sorriso. Que tantas vezes observo sem pronunciar uma única palavra. Apenas observo. Encontrei um tesouro. Encontrei em ti o meu céu carregadinho de estrelas. Encontrei em ti uma razão forte para acreditar que amo. Para acreditar no amor. Encontrei em ti a vontade de dizer baixinho... amo-te... Amei-te sem te conhecer, mas já sabia que existias... Para onde quer que eu vá amar-te-ei... Sempre!

2 comentários:

__leaving_to_live__ disse...

Correm-me as lágrimas. Proximidade, presença, amor. Como se tudo emergisse de um sonho.

Porque acredito no amor disse...

sabes, enquanto escrevia este texto que nada mais é do que o que sinto, também chorei. Chorei muito. E, acredita, que tudo emerge mesmo de um sonho. Haverá algo melhor do que amarmos e sermos amadas?