segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O início...

" Há uma velha canção árabe que começa assim: "Só Deus e eu mesmo podemos saber o que se passa no meu coração".
Eu gostaria de abrir o meu peito, tirá-lo dali e levá-lo nas minhas mãos para que todos o pudessem ver. Porque não há maior desejo numa mulher do que revelar-se a si mesma, ser compreendida pelo seu próximo; todos nós queremos que a luz que colocamos atrás da porta seja posta no meio da sala, à frente de todos.
O primeiro poeta deste mundo deve ter sofrido muito quando pôs de lado o seu arco e a sua flecha e tentou explicar aos seus amigos o que tinha sentido diante de um pôr-do-sol. É bem possível que esses amigos tenha ridicularizado o que ele dizia, mas ele fê-lo mesmo assim, porque a verdadeira Arte exige que o artista tente mostrar-se. Ninguém pode conviver sozinho com a beleza que é capaz de perceber.
E quanto a nós dois, que buscamos o Absoluto e que construímos um jardim usando a nossa própria solidão, a Vida deixou-nos a imensa paixão para aproveitar cada instante, com toda a intensidade."

Cartas de Amor do profeta, kahlil Gibran

2 comentários:

Ana Almeida ("Ana Pekena") disse...

Todo o ser humano gosta de ser compreendido e abrir o seu coração, porém nem todas as vezes é compreendido e a sua luz não se propaga.

Só nós nos compreendemos e sabemos o k sentimos. É DEUS k é a força e o refúgio =)

Ninguém se gosta de sentir só, tem necessidade de se abrir para os amigos e dar a sua mão :)

Abrir o coração e nunca temer o k o outro diz... viver com a nossa luz e com a força k Deus nos dá!

Amar os outros para ser amado :)***

Ana*

Ricardo disse...

Lindo excerto...

Transmite que o amor supera tudo, e que uma pessoa sozinha ate pode ser feliz, mas cm outra ao lado ainda mais feliz pode ser, para assim "construir um jardim" para poderem ser felizes...