segunda-feira, 8 de setembro de 2008

" Confiou e já sem medo deixou-se ir"

"Uma vez pediram-me para falar do mar....
-Mas tu, que és peixe, nunca sentiste o mar?
-Creio que o sinto, às vezes, ao passar nas guelras. Umas vezes sinto-o outras não. às vezes sinto-o quando me distraio com outras coisas. Fecho os olhos e fico a sentir o mar. Isto tudo de noite, claro, para que os outros não vejam. Diriam que sou louco para dar tempo ao mar....Então, veio uma corrente mais forte que o fazia descer. O peixe tentou lutar contra ela com quantas forças tinha, à medida que via distanciarem-se as coisas da superfície. Talvez para sempre... mas depois fechou os olhos, confiou e já sem medo deixou-se ir."
O Príncipe e a lavadeira, P.e Nuno tovar de lemos

Este é um dos textos que aplico em muitas situações da minha vida e gostava de o partilhar. A corrente, aplicada aquilo que somos, são os amigos, conhecidos, desconhecidos, momentos e vivências que vamos tendo à medida que o tempo passa. Essa corrente é importante porque, pela confiança que vamos depositando nela, nos vai mostrando para onde seguir....Hoje, aos 29 anos, tenho uma visão diferente e se calhar mais "aprofundada" do que deve estar por detrás desta corrente...
Quantas vezes nos deixamos levar sem termos sequer noção de onde chegaremos?
Quantas vezes olhamos para trás e percebemos que nos enganámos no caminho?
Quantas vezes nos retraímos para não sermos " condenados"?
Quantas vezes...
Quantas vezes...
Ora, seja qual for a condição... o mais importante é o reconhecimento daquilo que nós somos, do que nos torna felizes, do que nos faz sorrir! É, sobretudo, reconhecer se por acaso nos deixámos levar pela corrente e ela nos deixou num "beco sem saída"! Se por ventura algumas vez perceberes que te enganaste no caminho.... procura aquilo que te faz verdadeiramente feliz... a cima de tudo, confia!

5 comentários:

Storyteller disse...

Eu diria mais: acima de tudo, AMA!
Quero deixar-te aqui um pensamento de um senhor que tinha uma fraca figura, mas uma alma do tamanho do Mundo: Ghandi.
"Vive como se fosses morrer amanhã
Aprende como se fosses viver para sempre".
O que é que este pensamento tem a ver com o post? Para mim, a vida é um processo de aprendizagem constante. Aprendemos o Mundo, aprendemos os outros, aprendemos quem somos.

omniavincitamor disse...

Sem dúvida que o mundo é uma aprendizagem constante.... mas antes de aprendermos os outros... temos que aprender quem somos!

Ana Almeida disse...

Confiar é importante!
É algo k nem sempre se consegue, isto porque nao acreditamos nas nossas capacidades!

Confiar, acreditar k somos capazes, e k nao estamos so ( isto eu sei k tb é para mim!) Eu confio demasiado nos outros, mas nao confio nas minhas capacidades =(

Mas acredito, cada vez mais, k nao tou só... tenho amigos, Deus, familia... vou confiar e acreditar k nao sou inferior :)

Confiar e deixar-nos levar por esta corrente... ***

Luís Freitas disse...

Mais que qualquer observação, a corrente significa simplesmente a luta constante chamada vida =)

PorqueacreditoNoAmor disse...

e eu repito-te aquilo que já disse lá em cima: reconhecer que nos enganámos no caminho é sinal de crescimento. e antes de tentarmos conhecer os outros.... temos que aprender sempre primeiro quem somos!!! E confiar na corrente é deixarmo-nos surpreender pela vida. a nossa própria vida.